Trabalho da Unifesp mapeou o percentual da população acima de 18 anos que possui comorbidades capazes de complicar quadros da doença.

Um estudo inédito realizado por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) aponta que mais de 80 milhões de adultos brasileiros estão no grupo de risco para a Covid-19, a infecção provocada pelo novo coronavírus.

No Distrito Federal, o número alcança 49,2% da população, o equivalente a 1.136.833 pessoas.

A informação partiu de um cruzamento entre dados sobre doenças crônicas e hábitos de vida, transmitidos ao Ministério da Saúde durante a última Pesquisa Nacional de Saúde (2013), e projeções atualizadas da população adulta.

Responsável pelo trabalho, o professor Leandro Rezende explica que, no início da epidemia, acreditava-se que os casos graves de Covid-19 estavam relacionados à idade das pessoas porém, com o tempo, descobriu-se que as comorbidades também desempenham um papel importante.

“Os idosos apresentam mais comorbidades, por isso são o grupo com maior risco de complicações pela Covid-19, mas doentes crônicos também desenvolvem quadros graves”, afirma.

Os pesquisadores da Unifesp consideraram dois cenários de fatores de risco.

O primeiro cenário incluiu idade igual ou superior a 65 anos, diagnóstico de doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão, acidente vascular cerebral (AVC), câncer nos últimos cinco anos e doença respiratória crônica.

Nesse cenário, cerca de 34% da população brasileira, ou 53,8 milhões, poderia desenvolver um quadro com complicações.

No DF, o número seria equivalente a 29,9%, ou cerca de 690 mil pessoas.

Na segunda situação, além dos problemas de saúde do primeiro cenário, foram incluídos asma (moderada a grave), doença renal crônica (paciente em tratamento, por exemplo, hemodiálise), obesidade e tabagismo.

O número, então, passou para 86 milhões no Brasil e 1,1 milhão no DF.

De acordo com o epidemiologista, o distanciamento social deve continuar sendo praticado para que o número de pacientes graves não provoque o colapso da rede hospitalar.

“O ideal é que a gente continue controlando a curva de contágio, enquanto isso a rede hospitalar é preparada e parte da população cria imunidade ao Sars-CoV-2.”

https://www.metropoles.com/saude/grupo-de-risco-da-covid-19-no-brasil-e-de-80-milhoes-afirma-pesquisa

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Miss é encontrada morta em apartamento de namorado em Manaus

ter maio 12 , 2020
<div class="at-above-post addthis_tool" data-url="https://petrusnews.com/2020/05/grupo-de-risco-da-covid-19-no-brasil-e-de-80-milhoes-afirma-pesquisa/"></div>Kimberly Karen Mota de Oliveira, de 22 anos, a atual Miss Manicoré (distante 332 Km da capital), foi encontrada morta na madrugada desta terça-feira 12/05, […]<!-- AddThis Advanced Settings above via filter on get_the_excerpt --><!-- AddThis Advanced Settings below via filter on get_the_excerpt --><!-- AddThis Advanced Settings generic via filter on get_the_excerpt --><!-- AddThis Share Buttons above via filter on get_the_excerpt --><!-- AddThis Share Buttons below via filter on get_the_excerpt --><div class="at-below-post addthis_tool" data-url="https://petrusnews.com/2020/05/grupo-de-risco-da-covid-19-no-brasil-e-de-80-milhoes-afirma-pesquisa/"></div><!-- AddThis Share Buttons generic via filter on get_the_excerpt -->